.

.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

AINDA BEM QUE AQUI NÃO É A VEJA.

Por: Leandro Bahiah.
Imagem: Internet.

Causou-me espécime “O Direito de Resposta” do ex-vereador que foi prontamente concedido, isso, foi em virtude de uma matéria de minha autoria que foi publicada no domingo (24) aqui neste mesmo espaço. No meu ponto de vista, descabido, uma vez, que não ataquei a honra do autor da resposta e muito menos causei dano material, moral ou de imagem ao mesmo. 
Comentarei o direito de resposta em questão, respeitando é claro, a opinião do autor do Direito de Resposta, porém discordando tenazmente em alguns pontos onde no meu ponto de vista – houve dissenso.  Exercendo o direito que me assegura o Art. 5º, inc. IV da CF 88. Como foi assegurado ao autor do pedido de resposta com base no Art. 5º, inc. V da CF 88.
Preocupação com o nome de vossa senhoria? Nenhuma. É a primeira vez que se escreve uma matéria a seu respeito nestes quase quatro anos de existência do IN, se não me falhe a memória. Sempre contei com o ex-edil na disputa, e no momento, que fiquei sabendo por fontes confiáveis da reunião e da desistência da possível candidatura, quis informar os nossos leitores. E fiz sim suposições que a qualquer momento poderia ser esclarecida e como teve oportunidade de fazer, não o fez, permita-me, entretanto, não como direito de resposta, um artigo quiçá. Jamais usei de má fé – todos de Ibitupã – conhece minha índole. E o autor do pedido  de resposta tem o meu respeito e o respeito da minha família. Errou na interpretação. Quando disse que o senhor se afastou do povo – foi no sentido de ir as casas, ouvir o clamor do povo, escrever artigos denunciando os absurdos do atual governo e dando entrevistas e sugestões (mostrando os pontos críticos do governo). Eu sei do seu assistencialismo – e que fez muito bem as pessoas necessitadas - ajuda mútua – assistencialismo não, ajuda. Desculpe-me, assistencialismo quem faz é o PT. E saiba que sua ajuda ao povo não me contraria em nada, engana-se ao pensar contrário a isso.
Meus interesses? é tão somente informar e conscientizar os ibitupaenses – é fato. O povo me conhece. Nunca passei por cima de quem quer que seja para conquistar os meus objetivos. Derrubei alguém para estudar em escola pública? Burlei o Enem? Tramei contra os concorrentes e consegui uma bolsa no Prouni? Não é da minha índole – esta não cola. Este trecho é interessante veja o que escreve o autor do direito de resposta: “Em tempo, quero agradecer ao autor dessa matéria, que mesmo sem ter a intenção, consolidou o meu nome como homem íntegro e honesto”. Mesmo sem ter a intenção? E se eu tivesse atacado a honra de vossa senhoria, levaria na esportiva e não me processaria? Já que foi sem intensão? Já que numa simples matéria pediu direito de resposta? Não tenho nada contra vossa senhoria, e não foi a atoa que minha família e eu, deu-lhe por vezes o voto e o apoio.
O adequado seria o seguinte: Leandro não teve reunião e não disse que não seria candidato. Ponto. E se houve reunião? Leandro teve reunião, porém as razões não foram aquelas citadas por você sobre a minha desistência – foi assim... Agora fazer uma reunião para falar se estava em dúvida se seria ou não candidato? E, que bom, que meu artigo o estimulou a entrar na disputa, e assim, o debate de ideias será mais qualificado. 
Quando soube da possível desistência, a próxima etapa seria, como nós nunca tivemos diferenças e não temos, e queremos uma Ibitupã melhor – chamaria vossa senhoria para apoiar nosso projeto – Amauri – afinal se o apoiamos em muitas outras oportunidades, seria perfeitamente compreensível, e plausível até, o seu apoio agora, assim penso eu.
E um conselho, alguém que já ocupou cargos públicos, e é político e pretende voltar a ocupar cargos públicos, e não está pronto a receber críticas quando necessário, nem tão pouco o nome citado em um blogue, soa um quanto – anormal, permita-me dizer. No mais, é agradecer ex-vereador, pois, o IBITUPÃ NEWS não é a Revista VEJA, lá pode-se falar do PT e, quando provocada – vem com uma tal de imprensa livre e livre expressão do pensamento. E o direito de resposta? Balela. É preciso entrar com medida judicial. No mais, aprenda com o seu filho que me respondeu com elegância expondo sua opinião contrapondo-me e, não os respondi porque não tenho hábito de comentar post sobre meus artigos – e também, em respeito as opiniões dos internautas. Forte abraço a todos! E não esqueça internautas sua opinião aqui é levado a sério. Viva ao debate! Viva a democracia! Fora Temer!
* Veja mais trabalho de Leandro Bahiah.


Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz e Professor Teto. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

CONSELHOS PARA O VEREADOR ROMOALDO SARMENTO.

Romoaldo Sarmento.
Por: Pedro Henrique. 
Imagem: Internet. 

O nosso querido edil, aquele mesmo que têm dois projetos, lembra-se? Pois é. Aquele mesmo, personagem do artigo de Bahiah. No momento encontra-se feliz da vida. E qual é o motivo desta súbita alegria? Foi um doce canto que ouviu recentemente. E que canto! Nada mais do que uma promessa. Promessa? Exatamente. E não é um título de alguma música destas que está na moda - de alguma dupla de sertanejo universitário, em absoluto. É a promessa que o mesmo teria uns 200 a 250 votos em Ibicuí. Quem é este? E quem prometeu esta belezura toda? Calma internautas! Vereador, eu sinceramente não sei como funciona promessa entre políticos, porque entre políticos e o povo - é furada, eu que bem sei disso. Salve raríssimas exceções. Continue pedindo voto aqui em Ibitupã moço, você trabalhou demais - o povo há de reconhecer isso.
O vereador é Romoaldo Sarmento (PP) queridos e queridas internautas. É o nosso querido edil ipiauense, pecuarista e na eleição de 2012 declarou 0,00 de bens. E e a promessa sabe quem fez? Vamos lá - foi a nossa prefeita de Ibicuí, isso, a chefe do governo de pequenos reparos, está bem, Trabalho e Compromisso, está satisfeito? Então, é ela mesma, a sua excelência, - a mamy poderosa, Gilnay Santana (PTN). Segundo informações a prefeita teria prometido ao edil que o mesmo ficasse despreocupado, que ela garimparia uns 200 votinhos para o nosso produtivo vereador. Será que Romoaldo Sarmento é o homem de confiança de Gilnay? Só pode. Ele fora o rapaz de confiança do saudoso Cornélio. Então conclui-se que o vereador abandou o grupo de Cornélio? A música que toca é esta - Trabalho e Compromisso, para quê mudar hein vereador? Que continue a dança.
Todavia, deixarei um conselho: não fia-se nesta promessa muito vereador - e quando vem de político - aí kkkk é melhor repensar. Não sei se vossa excelência me entende? Como vão ficar os futuros candidatos que apoiarão a prefeita sabendo que a mesma se empenhará na sua campanha? Se eu fosse candidato que apoiasse Gilnay ficaria muito desapontado. Acredita mesmo que Gilnay Santana no palanque irá dizer: - Meu povo vote no meu candidato a vereador, Romoaldo? - kkkk vai não. Eu não entendi por que esta sua preocupação em conquistar votos na sede? Bom, o conselho está dado, viu? Mas não custa tentar, e quem sabe que algumas pessoas de Ibicuí votem mesmo no senhor? - vai que cola? Era só isso querido edil - precisava alertá-lo.

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz e Professor Teto. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

CACARECOS DA LÍNGUA

Por Gregorio Duvivier
Todo dia uma palavra morre e a gente não se dá conta. Ao contrário das pessoas, que por vezes morrem de desastre, as palavras só morrem aos poucos, devagarinho, cada dia um pouco –à medida em que as pessoas que as usavam vão morrendo também. Minha avó, por exemplo. Tenho certeza de que levou junto com ela a palavra "lorota".
Há uma multidão de palavras pelas quais nada mais se pode fazer: já habitam o subterrâneo das palavras findas. O coração parou, o cérebro também, o médico declarou o óbito e o padre fez a extrema-unção. Provecto. Linfa. Ergástulo. Patego. Algumas, claro, são natimortas: Lorpa. Trenguice. Lordaço. Não adianta bisturi ou eletrochoque –nada no mundo vai resgatá-las.
Algumas, para não morrer, reinventaram-se. Trocaram de sexo, de nome e de profissão. A palavra "zoeira" já significou barulho: hoje significa troça. Não é o caso da palavra "troça", tadinha, que tá nas últimas –apesar de tão gozada.
O verbo gozar, no entanto, se reinventou. Trabalhava no ramo do humor, hoje tá no ramo do prazer –taí um cara que sabe aproveitar a vida. A palavra "impagável" não teve a mesma sabedoria. Perdeu a graça: antes designava o hilariante, hoje designa a dívida do Estado do Rio, tadinha, tão desenxabida –outra palavra moribunda.
Há palavras, no entanto, pelas quais ainda vale lutar. A palavra "cacareco", por exemplo, tá na UTI. Pros jovens que não chegaram a conhecê-la, cacareco é uma coisa velha, já sem utilidade. Sim, a própria palavra cacareco virou um cacareco.
Está longe de ser o único cacareco da linguagem. Pense quando foi a última vez que ouviu que a situação está um despautério, que fulano tá borocoxô, que tal roupa é uma coqueluche, que fulana é uma songamonga.
O hospital das palavras está cheio –e ninguém nem sequer vai visitar as enfermas ("enfermas": taí outra palavra dodói). Elas não têm orgulho. Pra reavivá-las, basta chamar em voz alta que elas voltam serelepes, faceiras –acabou de acontecer com as palavras "serelepe" e "faceira".
Precisamos fazer uma força-tarefa pra salvar a palavra "força-tarefa". Junto com as palavras morrem também as coisas –e às vezes é impossível saber quem morreu primeiro, se a palavra ou a coisa.
Paramos de falar alpendre porque as casas deixaram de ter alpendre ou as casas pararam de ter alpendre porque já ninguém sabia o que era um alpendre? 

DIREITO DE RESPOSTA

Curioso está preocupação com meu nome. Realmente quando sem mandato, fui cuidar de minhas coisas, minha família, e deixar governar quem de fato tinha a obrigação e as prerrogativas para fazê-lo. 
   Ao contrário do que diz o autor da matéria, por desconhecimento ou má fé, Arnóbio lima não deixou de atender a algumas necessidades das pessoas que procuravam, haja visto que não deixei de fazer um trabalho social, não como político, mas como cidadão, que sempre dei e continuarei a dar minha contribuição à Ibitupã: viabilizando aposentadorias, fazendo documentos como: RG, CPF, reservista, título de eleitor etc, diga-se de passagem com recursos próprios, sem me submeter à vontade ou capricho de quem quer que seja. Mesmo que isso contrarie alguns, como o autor do artigo, que o utilizou para atingir seus próprios interesses, ao invés de colocá-lo a serviço de Ibitupã.

   Realmente fiz parte de uma chapa como vice do sr. Marcos de NOLIA, mas vou me reservar ao direito de não comentar sobre os motivos que me fizeram desacreditar deste projeto, sem precisar falar mal ou denegrir a imagem e a história de ninguém, ao contrário de pessoas que para atingir seus objetivos, tentam passar por cima de todo mundo.

   Em tempo, quero agradecer ao autor dessa matéria, que mesmo sem ter a intenção, consolidou o meu nome como homem íntegro e honesto, que mesmo tendo sido vereador e presidente da câmara, ninguém, mesmo que queiram, não apontam um ato de desonestidade como, dolo, desvio de recursos, apropriação indébita etc. Ser honesto é um dever e obrigação de todos nós, mas o verdadeiro desafio é entrar na política e permanecer honesto.

  Realmente sou fiel e fui fiel ao grupo, ajudando e sendo fundamental nas eleições dos dois presidentes da câmara que me sucederam, sem pedir ou exigir nada em troca - empregos, favores, dinheiro. Os dois certamente ratificarão minha afirmação neste sentido, mas será que essa fidelidade foi recíproca? 

   Finalmente, estava em dúvida em ser ou não candidato, mas depois de ver uma matéria tão estimulante como esta, devo confessar que já não tenho mais dúvidas que ainda tenho muito a contribuir com Ibitupã, deverei ser candidato. 

Arnóbio Costa Lima - cidadão de Ibitupã.


domingo, 24 de julho de 2016

AS POSSÍVEIS RAZÕES DA DESISTÊNCIA DE ARNÓBIO COSTA LIMA A CANDIDATURA.

Arnóbio Lima.
Por: Leandro Bahiah.
Imagem: Internet.

Recentemente, o ex-vereador Arnóbio Costa Lima reuniu com pessoas mais próximas e, principalmente com a sua linha de frente e, segundo fontes, o mesmo teria dito, que não seria mais candidato a eleição de 2016, por isso, que o nome do mesmo não aparece nem como pré-candidato no momento. Arnóbio Lima esteve vereador por dois mandatos e no segundo, chegou a presidência da Câmara Municipal de Ibicuí. Uma pessoa inteligente, um articulador nato, e que não entra no jogo para perder, entretanto, foi derrotado no pleito de 2012 quando apresentou-se como candidato a vice-prefeito ao lado de Marcos Galvão (PSD). Como Arnóbio Lima desistiu da candidatura em 2016 com esse currículo? Tentarei mostrar algumas razões pelas quais fizeram com que o ex-vereador possa ter desistido da sua possível pré-candidatura, lembrando que são apenas conjecturas que faço, ou seja, são apenas suposições. Vamos as razões, lembrando que, posso perfeitamente está equivocado, e talvez tenha outras razões que não as mesmas que estou aqui elencando.
Primeiro, Arnóbio Lima quiçá ficou constrangido por não apoiar a quem de fato deveria, ou seja, os funcionários públicos ibicuienses que, Cláudio Dourando deixou passando fome no final da sua gestão, e o ex-edil não moveu nenhuma palha para ajudá-los (a menos que agiu nos bastidores). E cabe aqui um adendo - Arnóbio Lima é fiel - esteve a todo tempo ao lado de Cláudio Dourado (PSD), isso não só nos momentos de bonanças - o que é uma virtude. A segunda razão, foi a inercia do mesmo em relação a política de Ibicuí, de que lado Arnóbio estar? Perguntava-se o povo. Não fez uma oposição como esperava-se de um candidato a vice que fora derrotado pela força que aí estar no poder, o melhor dizendo, Arnóbio Lima não fez oposição. Não deu entrevistas, não escreveu artigos de críticas, nada. O ex-presidente da Câmara apenas articulou nas campanhas a presidência da Câmara de Ibicuí - tanto na campanha de Onildo Jr. (PSD) quanto na campanha de Legá Alves (PC do B).  Arnóbio Lima foi cuidar do seu ganha pão, e fez bem, contudo, afastou-se da política e do povo, e político quando se afasta do povo - é uma perdição, enquanto Amauri Leão (PC do B) emergia com força, e ganhou a eleição para deputado com Davidson Magalhães (PC do B).
Talvez, esta são as razões pelas quais o ex-vereador Arnóbio Costa Lima desistiu da sua possível candidatura, o mesmo, está filiado ao PSD, o partido do atual pré-candidato a prefeito Marcos Galvão e do ex-prefeito Cláudio DouradoArnóbio Lima, segundo fontes, teria dito, nesta mesma reunião onde comunicou que não seria candidato - disse também que não apoiaria nenhum outro candidato. O melhor agora, é esperar, tem-se até o dia 05 de agosto para ver-se se Arnóbio Costa Lima sairá candidato ou não. É só aguardar os próximos capítulos desta novela.

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz e Professor Teto. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

terça-feira, 19 de julho de 2016

OS IBICUIENSES TERÃO MAIS OPÇÕES NA HORA DO VOTO.


Por: Leandro Bahiah.
Imagem: TSE.

Hoje, Ibicuí tem quatro pré-candidaturas. A primeira, é da atual prefeita Gilnay Santana (PTN), uma, é a de Marcos Galvão (PSD), a outra, é a de Sérgio Barbosa (PDT) e, por última e não menos importante, é encabeçada por Sillas Prado (P-Sol). Assim, está-se configurando a disputa de 2016 ao executivo municipal Ibicuiense, queridos e queridas internautas que nos honra com suas visitas diárias, o que é sempre sinal de prestigio e confiança.
Gilnay Santana, tem a máquina pública ao seu favor, começa a inaugurar obras na reta final, ou seja, é ano de eleição. É uma espécie de cala boca, uma bela mão de areia nos olhos dos desavisados, mas, creem-se que não vai colar. E os três anos e meio de sofrimento? Marcos tem recursos, e conta com apoio, porém, pecou em algumas coisas e, pode pagar muito caro. Sérgio Barbosa sempre teve ao lado dos cornelistas, e disse que, dessa vez não abre mão de ser candidato, na minha opinião – bom nome, entretanto, o seu nome é inexpressivo perante os ibicuienses. E Sillas? É uma excelente surpresa, vem construindo um diálogo com a juventude profícua e, tem ganhado notoriedade e apoio importantes.
Na corrida alucinante pela Casa Verde (chiste), pela prefeitura. Tem-se o alcaide Cláudio Dourado, embriagado pelo sentimento de vendeta, atirando para todos os lados, para derrubar o seu “colega de partido” Marcos Galvão. Cabe um conselho ao ex-prefeito Dourado: – Faça o que é de obrigação vossa, venda a Faz.: Lorena, e depois, ressarce os funcionários da prefeitura que durante os meses finais de sua última gestão passaram fome. Não sei se os cornelistas querem você por lá. Cadê aquela raiva mortal que eles devotavam a ti? Agora, Dourado quer unir Sérgio e Gilnay. E neste cenário, Sillas Prado é o pré-candidato mais assediado. Quase todos os pré-candidatos querem o seu apoio. Pena que para os mesmos, Prado serve apenas para apoiá-los, no máximo a ser candidato a vereador. E uma vice não rola? Eles cantam: “É tudo nosso e nada deles, e nada para o povo”.
O bom disso tudo. É que agora os ibicuienses terão opções na hora do voto. A Polarização enfraquece a democracia. Do dia 20/07 a 05/08 conheceremos também quem serão os nomes indicados a vice. Resta desejar-lhes aos ibicuienses que faça uma excelente escolha, depois de analisar a melhor proposta/projeto para Ibicuí e, que vença a melhor plataforma política com seus projetos/propostas. Boa Sorte!

Diretor-presidente: Pericles Silva Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz e Professor Teto. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

sábado, 16 de julho de 2016

ESPORTE E AMIZADE

Por: Pericles Gomes.
Fotos: IN. 

No passado domingo, e vem virando tradição, um time de futebol da cidade Ilhéus, amigos Ailton Veloso veio mais uma vez no distrito de Ibitupã para fazer a famosa pelada. Na verdade, já existe uma amizade e um forte vínculo entre os dois grupos, pois, eles aliam ao mesmo tempo o esporte e a prática do bem comum, além, é claro do engajamento nas causais sociais  e políticas. 

Dessa vez, a pelada contou com a presença de dois pré-candidatos a vereador; Amauri Leão de Ibitupã e Soró Bahia do município de Ilhéus. 

Na oportunidade, Soró Bahia assim falou sobre Ibitupã ao IN: "é bastante semelhante com Ilhéus, tem um povo muito alegre e acolhedor, característica da nossa Bahia". E sobre a importância do esporte falou ele: "acreditamos e investimos no esporte, pois temos certeza que ele pode mudar a vida das pessoas e em especial as das nossas crianças", concluiu o pré-candidato.

Já Amauri Leão por sua vez, frisou a parceria entre eles: "todos abraçaram desde o inicio, o nosso projeto e fortalecemos assim esse vínculo que começamos a estabelecer". E encerrou dizendo o futuro edil: "Os esportes no geral, tem papel fundamental na educação dos nossos jovens, pois exige disciplina, coisa muito caras a eles nesses nossos dias, quer seja a capoeira ou o futebol, influenciam positivamente onde são praticados".


Ambos formaram um uníssono coro ao afirmar: "a parceria teve tão somente data de inicio, mas que de terminar não", lembrou Amauri. "A parceria apenas começou, agora vamos estreitar os laços e continuar as lutas", disse Soró Bahia. 


Aguardemos o resultado das urnas em outubro e que realmente a parceria entre Ilhéus e Ibitupã, que aconteceu por meio do esporte, ajude também no debate e consolidação das politicas afirmativas que visem distanciar as desigualdades gritantes muito presentes em nosso meio.


Diretor-presidente: Pericles Kinho. Edição: Adenilson Kbça. Direção de Arte: Pedro Henrique. Produção/Departamento: Leandro Bahiah. Direção de Marketing: Abel Meira. Colaboração: Jamilson Campos e Werônica Rios.