.

.

domingo, 28 de maio de 2017

“NÃO SE DERRUBA UM GOVERNO SUJO COM ROSAS”, DIZ O CANTOR E COMPOSITOR ALDIR BLANC.

Confira a íntegra do texto:
Aldir Blanc.
Por: Aldir Blanc.
Imagem: 274

Para caracterizar o samarcal do desgoverno Temeroso, vou citar o guerreiro do Império, Winston Churchill, em suas “Memórias da Segunda Guerra Mundial”. O trecho está na página 112 do primeiro volume, na edição da Nova Fronteira, e refere-se a Mr. Baldwin, uma espécie de Treme-Temer inglês: “E assim vai ele num estranho paradoxo, decidido só a não decidir, resolvido só a não resolver, firme na deriva, sólido na fluidez, onipotente na impotência”.
É ou não é a cara do presigárgula? Imaginem aquele sorriso falso de Mono Esburacado, ajeitando o nó da gravata deformada pelo barrigão. Ele desliza feito réptil em direção à tribuna para não falar a verdade e, seguindo Churchill, ser coerente na incoerência, forte na tibieza, sólido na flatulência… Em suma: o cara passará à História como “ele recebeu a propina, separou mil e jogou no bolso”.
Homem da Zona Norte, conheci malandros de palavra, que tinham elevado sentido de honra, como o saudoso Maneca, cuja promessa era sagrada. Pensem na figura patética de Dá-o-pé-Loures, mais um caso de “jogou no bolso”. Devolveu a tal mochila faltando 35 mil. Depois, “achou” a grana e devolveu. Outro descalabro: precisamos de alguém para nos defender do minidef, membro caído do PPS (Partido Paleolítico Senil), aquela agremiação cujo dono é Robertov, que já abandonou o navio. A presença do vomitivo político na Defesa não faz o menor sentido. A casa também caiu sobre Mineirinho. Entregou o passaporte e aguarda a prisão. Já a irmã, usada e abusada, está presa. É preciso ressaltar que Mineirinho continua impune em espancamento de mulheres e blindado no tenebroso escândalo de Furnas (e aí, juízes do Supremo? Não vão abrir esse cofre de Pandora?). É preciso investigar também o helicoca, a Samarco (19 homicídios culposos, um rio morto, a maior catástrofe ambiental do Brasil, estragos que chegam ao litoral da Bahia). Dá nojo a forma como homens (?) vis exploram irmãs que os idolatram.
O desespero Temeroso pode ser avaliado pelo grito de help às Forças Armadas, uma estupidez, com, é claro, a cumplicidade do minidef.
A ONG Alerta Brasil e o Projeto #Colabora denunciam que, desde que Temeroso abundou-se no trono presidencial, um direito foi perdido por dia! Esse é o líder “jogou mil no bolso”.
Como cravou a jornalista Dorrit Harazim, o presipodre poderia ter dito aos animais proteicos “Fora daqui”.
Vi no canal Bloomberg a seguinte pérola: “O mercado exige a continuação das reformas”. Qual mercado? Aquele que quebrou o mundo em Wall Street na megafraude de 07/08, ninguém preso? O da Fiesp? O de Pedro Parente Deles, onde o Brasil paga caro para explorar suas próprias riquezas?! O da “reconstrução” da Halliburton no Iraque? Vão se fifar!
Toda solidariedade ao repórter fotográfico André Coelho, chutado por um PM em Brasília. Quando se homenageia o Capitão Sampaio por esfacelar o rosto de um jovem, o resultado é esse. 

Não se derruba um governo sujo com rosas.

Fonte: BRASIL247.COM


quinta-feira, 11 de maio de 2017

LEANDRO BAHIAH PUBLICA HISTÓRIA INFANTIL NA SEMANA DO MÊS DAS MÃES.

Que presente maior uma mãe pode dar a um filho? Contar uma história, ler um livro ou presenteá-lo com um livro. Pensando nisto, o IN publica esta divertida historia de Leandro Bahiah. Na semana das mães quem ganha presente são os baixinhos. Tenha uma ótima leitura!
MAGNO & ATAULFO.
UMA DUPLA DO BARULHO.
Leandro Bahiah




Editora
Casa do Saber.




MAGNO & ATAULFO.
UMA DUPLA DO BARULHO.
Leandro Bahiah




Editora
Casa do Saber.



Copyright Leandro Bahiah 2017.
Todos os direitos reservados.
Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem previa autorização, por escrito, do autor.

Texto e Ilustrações: Leandro Bahiah
Editora: Gislane Tanajura de Jesus
Revisão: Talita Alves
Direção de Arte: Alex Jenson
Projeto Gráfico: Thiany Bahiah

CIP
­­­­­­­­­­­­­­­­____­­_________________________________________________________________________________
 00000 Bahiah, Leandro, 1984.
                     Magno & Ataulfo - Uma Dupla do Barulho / textos e ilustrações
Leandro  Bahiah. – Ibitupã: Editora Casa do Saber, 2017.
18 p.
ISBN 00-000-000-00
1-FICÇÃO  INFANTOJUVENIL  –  BAHIA.
I. Título.                                                
                                                                                                                                    CDD:
                                                                                                                                    CDU:
______________­­­­­­­­­­­_____________________________________________________________________________





Dedicatória
Dedico está obra aos meus pais Elias Pereira da Silva e Maria Macedo dos Santos, aos meus irmãos, amigos, familiares e aos meus futuros leitores, e em especial, aos meus avôs Edezio Pereira dos Santos, Carmerina Pinto Macedo, Maria Felix e Ezequiel Silva (In memoriam).






Agradecimentos
Agradeço a Deus por me inspirar, sou grato a luxuosa colaboração das minhas amigas Gislane Tanajura de Jesus e Talita Alves pelas preciosas intervenções. Os conselhos de Pericles Gomes e de Edilene Bahiah.
Muito obrigado a todos!





Epígrafe
“Dê-me caneta e papel e em troca dou-te o mundo!”, Pericles Silva Gomes.







Era uma vez um menino muito especial chamado Magno.
  


Magno morava com seus pais numa fazenda cheia de animais: galinhas, porcos, ovelhas, bois, cavalos... E era muito feliz.
  


Depois que sua mãe morreu, seu pai casou-se com uma mulher bastante má, a cruel Elvira, que o judiava quase todos os dias.

 


Um dia, Magno e o seu amigo grilo Ataulfo descobriram que Elvira queria envenenar o seu pai, e depois, tomar toda a riqueza da família.



Magno contou toda a verdade para o pai, todavia, o mesmo não acreditou na história do garoto...

Então, diante do não convencimento do pai, Magno e Ataulfo tiveram uma ideia: azucrinar o sono da maléfica Elvira.

Todas as noites quando Elvira pegava no sono, o grilo Ataulfo começava a cantoria: – Cricri, cricri, cricri...



Elvira não conseguia dormir graças ao barulho do grilo. Durante o dia, a malvada não dava continuidade ao seu terrível plano.
– O nosso plano está dando certo invertebrado! – exclamava feliz Magno.
– O que é isso? – perguntou o grilo Ataulfo. – Invertebrado?
– São animais que não possuem coluna vertebral. – explanou Magno. – E nem tem crânio.

Eu queria ser gente... – lamentava o grilo. – Queria ser cantor de forró.
– Calma. – dizia o menino. – Você pode ser artista no mundo animal.
– Você ainda quer ser meu amiguinho? – indagava Ataulfo. – Claro. – falou Magno. ­– Os grilos são inofensivos aos seres humanos.
E todas as noites, Ataulfo continuava a fazer o seu espetáculo particular para Elvira.

Elvira de tanto ouvir o cricri, enlouqueceu. E acabou confessando para todos que tentou envenenar o seu próprio marido.

Em suma, Elvira foi levada para o sanatório, pois foi tida como doente mental.
  


– Perdoa filho... – disse o pai emocionado. ­– Por não ter acreditado em você.




E o seu filho Magno o perdoou.

Magno, o pai e o seu amigo Ataulfo foram morar no Reino de Ibitupã.
  


Longe das malvadezas de Elvira, e ao lado do seu inseparável amigo Ataulfo, Magno era o expectador especial das apresentações musicais do grilo que cantava sobre um criado-mudo e sob a luz de um velho abajur:



Primeiro, eu canto...
Para anunciar a minha presença!
Eu pulo, eu brinco e danço!
A vida não é uma sentença.


Segundo, eu canto...
Para cortejar a minha parceira!
Com ela, tomo café, almoço e janto!
Ó grilo-fêmea namoradeira.


Terceiro, eu canto...
Para afugentar os meus adversários!
Este é meu território é o meu canto!
Porque eu sou um grilo bilionário!


E assim, A DUPLA continuava fazendo bastante barulho, compartilhando suas experiências invertebradas e vertebradas, e viveram felizes para sempre!

  
Fim.




















Impresso no Brasil
Sistema Gráfico da
DISTRIBUIDORA E EDITORA CASA DO SABER

Praça da Liberdade, S/n – Ibitupã, BA – 45.298-000 – Tel.: (77) 8825-8268.

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

JAIR MESSIAS BOLSONARO: A POLÍTICA RETRÓGRADA QUEM O PARIU!

Por: Pericles Gomes
Imagem: Internet.

Jair Messias Bolsonaro é o nome da vez. Odiado por muitos, querido por uns tantos. Louco e vigarista para alguns, santo e profeta para outros. Uma coisa é certa: ele leva a cabo sua agenda e seu nome mesmo atrelado à suas idiotices, o põe no páreo para a corrida presidencial do ano vindouro.

A onda “Bolsomito 2018” invadiu as redes sociais, numa tentativa última de alguns alucinados se verem próximos de seu ídolo. É o que municia seus disparates. Mas é aqui que o caldo entorna… Porque Jair Bolsonaro tem a cara da mãe. Do extremismo/fundamentalismo que impera em nosso momento político. Foi este tipo de política retrógrada quem o pariu…

E, ele não é um fenômeno isolado.

Talvez Bolsonaro tenha ganhado mais espaço por sua desenvoltura teatral e performática, mas o seu conteúdo está recheado de velhos paradigmas que dominam ainda boa parte da política no Brasil e no mundo: fundamentalismo, belicosidade, busca de poder.

Ele tem a proeza te ter seu nome atrelado a casos de homofobia; é entusiasta e defensor do pavoroso golpe militar que maculou a história do nosso país; pratica misoginia, isto é, desprezo ao gênero feminino; é preconceituoso (Quem quiser entender o que estou dizendo procure a fala dele sobre os quilombolas e outros tantos vídeos na internet); é contrário aos direitos humanos e outras tantas sandices que é inerente ao personagem que vestiu e o tem vendido muito bem.

A mãe pode olhar pro seu bebê monstro agora crescido e dizer: “Que trabalho feito com esmero!”

Os vídeos que tanto espantam milhares de pessoas na internet não me assustaram, por um simples motivo: nada, eu disse NADA, do que ouvi Jair Bolsonaro vociferar em suas transloucadas falas eu já não ouvira antes, está tudo presente nas redes socais é só procurar. Faça uma breve pesquisa ao You Tube e veja. Por isso repito: NADA me assusta ou me parece novo!

Existem milhares de Bolsonaros proliferados por aí, dizendo as maiores besteiras em nome de Deus, dos bons costumes e da família, pervertendo a fé singela do povo que acredita neles, explorando a inocência das pessoas, em especial dos jovens… só não se tornaram conhecidos como o insigne deputado. Graças a Deus!

Volto a dizer: Jair Bolsonaro não é um fenômeno isolado… Não é vítima e nem algoz, é só mais um fruto apodrecido de uma árvore podre. Talvez seja, hoje, o filho mais “famoso” dessa política asquerosa brasileira. Mas seus irmãos gêmeos, Aécio Neves e Marco Feliciano (Que alcunhou Eduardo Cunha como seu malvado favorito), continuam ganhando milhões de adeptos e seguidores ensandecidos, que buscam por um messias que os salve (Daí terem dado esse encargo a Jair MESSIAS Bolsonaro). O problema é que esse “salvador” aí anuncia catástrofe e não uma inundação de esperança e equilíbrio que tanto carecemos.

Há esperança? Sim, claro que sim… mas vou tratar disso em outra oportunidade…

Carlos Drummond perguntou e eu o parafraseio: “E agora, José? A festa acabou a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou”... 

Agora… quem pariu Bolsonaro que o balance…


Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

terça-feira, 4 de abril de 2017

POR QUE NÃO DEVEMOS CONCORDAR COM A MUDANÇA NO SÃO JOÃO FEITA PELO PREFEITO MARCOS GALVÃO.


Por: Pericles Gomes.
Imagem: Rede Social.

Recorrendo ao meu antiquíssimo barsa, encontrei assim definida a palavra pudor: “sentimento de vergonha, timidez, mal-estar, causado por qualquer coisa capaz de ferir a decência, a modéstia, a inocência”. Usei a definição como preâmbulo para dizer como me senti ao ficar sabendo via áudio de WhatsApp e posteriormente consolidada como notícia em um blog, a informação de que o excelentíssimo senhor prefeito de Ibicuí, pensando exclusivamente em nossa cidade tinha de forma impoluta e caridosa criado o “São João sunset”, isto é, o São João do Pôr do sol.

Nas linhas que se seguirá elucidarei o que é o sunset e o porquê da minha veemente inconformidade com ele.

A festa de São João de Ibicuí este ano ocorrerá entre os dias 22 e 25 de junho e o prefeito anunciou uma mudança significativa, “o São João Sunset” no dia 23, é a festa do pôr do sol, já durante a tarde até o surgir da noite, a banda Lordão estará tocando na Praça Régis Pacheco com o “objetivo” de acolher os foliões que irão para o Brega Light, -não é nada desprezível informar que o prefeito é o dono do Brega Light-, pois isso forçará que eles –os foliões- consumam na praça, gerando lucro para os barraqueiros. Vale ressaltar até aqui que se trata de uma boa estratégia para fortalecer a festa da praça; que é a que interessa realmente ao prefeito. 

Logo mais saberão o motivo da minha indignação.

Apesar do assunto não ser nada jocoso, quero contar uma piada para me fazer entender; ela começa assim: o advogado vai ao motel acompanhado da mulher do melhor amigo dele, também advogado. Chegando lá, encontra a própria mulher acompanhada do seu melhor amigo. Ao constrangimento inicial segue a dúvida.
– E agora? O que é que a gente faz?
– O certo seria a gente destrocar os casais e cada um voltar pra casa acompanhado do respectivo cônjuge.
– Sim, isso seria o certo. Mas não seria o justo.
– Por quê?
– Porque a gente tá chegando, e vocês tão saindo.

Sinceramente não sei se o “Sunset” do prefeito vai realmente fazer com que os foliões do Brega Light passem pela praça e lá permaneçam a ponto de consumir e gerar todo esse lucro, a ponto de justificar tal medida nos moldes como foi feita. Perguntei a alguns amigos que assiduamente participam do Brega Light sobre; e as opiniões foram dissonantes. Alguns -dos quais faço parte- acreditam que se o Brega Light começasse como antigamente, às 16:00 e terminasse às 20:00 horas, as pessoas que estavam lá, iriam abissalmente em maior número à praça que os que irão antes da festa começar, como acredita o prefeito. Como ele disse que decidiu pela mudança após cinco meses de pesquisa junto com sua equipe, não há muito o que se discutir.

Imaginemos, pois, que o prefeito esteja certo e que os foliões vão em número gigantesco à praça à tarde. Pergunto: seria justa e ética essa medida? Ela pode surtir efeito positivo na festa do município, mas com certeza surtirá ainda mais no que diz respeito ao Brega Light. Como se sabe, na sexta-feira só é feriado em Ibicuí, sendo assim, muitos trabalham pelo menos até às 16:00, hora essa que comumente começa a festa do Brega Light. A festa sendo mais tarde, possibilita que essas pessoas, em especial das cidades mais próximas venham participar do Brega Light -desafio que me provem o contrário-. Antes a maioria destes iriam para a festa da praça, com a decisão do prefeito irão agora para o Brega Light. Isso é fato. Penso que não há quem disso discorde.

Convido-os ao menos a supor que eu possa estar certo; estando correto faço mais algumas perguntas: Por beneficiar diretamente o prefeito -afinal ele é o dono do Brega Light- não configura uma mistura clarividente entre público e privado? Configurando uma mistura, não seria isso abuso de autoridade? E também falta de decoro? Portanto, passível de punição? Ficam essas indagações à reflexão.

Como estudante de Filosofia e nesse semestre cursando Ética II, é impossível concordar com essa mudança, pois ela fere princípios éticos e morais básicos. Quem quiser entender melhor o que é Ética recomendo os diálogos socráticos escritos por Platão, em especial “A apologia de Sócrates” e “Críton”, e o brilhante livro “Ética a Nicômaco” de Aristóteles, quem o fizer, entenderá o motivo da minha total indignação com o São João do pôr do sol. O chefe do executivo municipal isento para isso fazer, seria louvável, como não o é, considero um escárnio ao município.

É certo que à medida que o governo tomou beneficia diretamente o prefeito Marcos Galvão. Assim sendo, “o São João Sunset” é a mesma coisa que “um pênalti marcado por Eurico Miranda a favor do Vasco”. Não é certo, não é justo, e menos ainda sensato. Faltou quem o aconselhasse. Faltou bom sendo, faltou pudor. 

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

quarta-feira, 29 de março de 2017

A PRESIDENTA DA APLB-SINDICATO EVANILDA CUNHA FALA SOBRE A REDUÇÃO DA CARGA HORÁRIA DOS PROFESSORES DE IBICUÍ.

EVANILDA CUNHA ANDRADE, NINHA.
O Ibitupã News entrevistou a presidenta da APLB-Sindicato de Ibicuí, a Senhora  Evanilda Cunha Andrade.  A mesma já atuara por 25 (vinte e cinco) anos como professora, e exercendo neste período a função de Coordenadora do Programa Educacional e orientadora do PACTO PNAIC, e no momento, a mesma está liberada das suas funções educacionais para atender a APLB. Ninha como é popularmente conhecida, já está presidente da APLB por 03 (três) mandatos, ou seja, desde de 2008. A presidente concedeu-nos esta entrevista através da sua rede social. A Senhora Evanilda Cunha Andrade falou sobre entre outras coisas, da redução da carga horária de 32  (trinta e dois) professores da rede municipal de ensino de Ibicuí feita pela atual administração do prefeito Sr. Marcos Galvão (PSD).

IN – Primeiramente, muito obrigado presidente Ninha por conceder-nos esta entrevista. Professora, em relação aos professores que atuam no município de Ibicuí, quantos deles (as)  tiveram suas cargas horárias reduzidas pela atual administração municipal?
NINHA – Total de professores com a carga horária reduzida: 32.

IN – As professoras (es) em questão têm realmente direito ás 40 horas presidenta?
NINHA – Acredito que sim, pois todos se enquadram as exigências da Lei do Magistério Municipal.

IN – Em sua opinião por que a Prefeitura de Ibicuí reduziu a carga horária destas professoras e professores em questão? A Senhora acredita em perseguição política?
NINHA – Não posso afirmar que haja perseguição política porque não disponho de elementos que comprovem ou afirmem tal ato.

IN - Qual foi à justificativa dada pela Prefeitura Municipal de Ibicuí para que esta redução da carga horária fosse realizada?
NINHA – Com base no processo administrativo a justificativa do executivo: Foi à impossibilidade de alteração de regime de carga horária por falta de recursos financeiros. Indícios de irregularidades em alguns processos de enquadramento apontados pela Secretária de Educação e que não foram salientadas nos processo administrativo individual dos investigados. Desrespeito a boa parte do procedimento que regula a matéria de ampliação da jornada de trabalho. A ausência de publicidade da antiga gestão, falta de concorrência e tratamento econômico entre os servidores públicos com as mesmas atribuições e direitos. Riscos eminentes de danos irreparáveis aos cofres públicos, aumento repentino e abrupto das despesas com pessoal lesando a boa gestão fiscal. O efetivo atendimento aos princípios da impessoalidade, isonomia e da supremacia do interesse público. Inexistência de estudo de impacto financeiro.

IN – A presidente sabe informar qual é o número exato de professores (as) que estão passando por esta situação no distrito de Ibitupã?
NINHA – No distrito de Ibitupã são seis professoras que se encontram nessa situação.

IN – A senhora pode confirmar a informação que a atual administração municipal de Ibicuí contratou pessoal sem formação no distrito de Água Doce para atuarem em sala de aula?
NINHA – Não posso afirmar tal situação porque as contratações ainda não foram legalizadas e nesse modo não podemos solicitar a situação de cada contratado: porém existem boatos que há contratados sem as respectivas formações específicas exigidas por Lei para atuarem como professores.

IN – A APLB já tomou alguma medida? E quais medidas já foram adotadas?
NINHA – APLB tentou dialogar com executivo para que fosse revista a situação visto que, os servidores atuam no município há um bom tempo, mas manifestou a intenção de prosseguir com o ato administrativo. Desse modo APLB-Sindicato auxiliou os envolvidos na constituição do advogado que representa o Sindicato e a categoria para que fossem tomadas as providencias cabíveis.

IN  Os professores têm entrado em contato com a entidade?
NINHA – Os professores têm entrado em contato constante com APLB-Sindicato, onde a mesma se mantém a disposição de todos para uma melhor resolução destes e demais problemas, na luta por direitos igualitários referentes à categoria e esperamos que os direitos destes servidores sejam cumpridos quanto ao retorno do seu enquadramento.

IN – Cite um poema, uma frase ou um pensamento do qual a professora goste.
NINHA – Cito aqui um pensamento do qual gosto muito e que me faz refletir sobre a vida.
O tempo muito me ensinou:
Ensinou a amar a vida,
Não desistir de lutar,
Renascer da derrota.
Renunciar as palavras
E pensamentos negativos,
Acreditar nos valores humanos
E a ser OTIMISTA.
Aprendi que mais vale
Tentar do que recuar.
Antes acreditar
Do que duvidar,
Que o que vale na vida.
Não é o ponto de partida
E sim a nossa caminha.

Cora Coralina.

IN – Mais uma vez, obrigado pela entrevista e o espaço está franqueado para que a presidenta faça as suas considerações finais. Deixe sua mensagem aos professores e professoras que estão passando por esta situação.
NINHA – Como representante da APLB-Sindicato agradeço a oportunidade de externar a minha opinião quanto ao tema exposto, visto que os funcionários municipais não podem ter seus direitos desrespeitados. Acredita-se que o ato executivo foi realizado no calor das emoções sem considerar que os funcionários já fazem parte da folha do FUNDEB há mais de 4 anos  não onerando a folha de pagamento na sua respectiva receita municipal como foi objeto de justificativa do processo administrativo contradizendo os atos atuais cujas contratações mesmo que extra-oficiais, podendo ser detectadas nas escolas. Sendo assim os professores (as) que tiveram sua carga horária reduzida, podem ser reintegradas as suas funções e suas respectivas ampliações de carga horária. A alegação do jurídico é de que há falta de preenchimento dos requisitos da Lei 133/2011 Estatuto do Magistério Público Municipal; Art. 36-42, onde verificando a documentação dos professores, constata-se que os mesmos se adequam as exigências e critérios da Lei. Atenciosamente, Evanilda Cunha Andrade presidente da APLB-Sindicato.

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

sexta-feira, 24 de março de 2017

NOTA DOS BISPOS DO BRASIL SOBRE A PEC 287/16 – “REFORMA DA PREVIDÊNCIA”

“Ai dos que fazem do direito uma amargura e a justiça jogam no chão”
(Amós 5,7)

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília-DF, dos dias 21 a 23 de março de 2017, em comunhão e solidariedade pastoral com o povo brasileiro, manifesta apreensão com relação à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, de iniciativa do Poder Executivo, que tramita no Congresso Nacional.
O Art. 6º. da Constituição Federal de 1988 estabeleceu que a Previdência seja um Direito Social dos brasileiros e brasileiras. Não é uma concessão governamental ou um privilégio. Os Direitos Sociais no Brasil foram conquistados com intensa participação democrática; qualquer ameaça a eles merece imediato repúdio.

Abrangendo atualmente mais de 2/3 da população economicamente ativa, diante de um aumento da sua faixa etária e da diminuição do ingresso no mercado de trabalho, pode-se dizer que o sistema da Previdência precisa ser avaliado e, se necessário, posteriormente adequado à Seguridade Social.

Os números do Governo Federal que apresentam um déficit previdenciário são diversos dos números apresentados por outras instituições, inclusive ligadas ao próprio governo. Não é possível encaminhar solução de assunto tão complexo com informações inseguras, desencontradas e contraditórias. É preciso conhecer a real situação da Previdência Social no Brasil. Iniciativas que visem ao conhecimento dessa realidade devem ser valorizadas e adotadas, particularmente pelo Congresso Nacional, com o total envolvimento da sociedade.

O sistema da Previdência Social possui uma intrínseca matriz ética. Ele é criado para a proteção social de pessoas que, por vários motivos, ficam expostas à vulnerabilidade social (idade, enfermidades, acidentes, maternidade…), particularmente as mais pobres. Nenhuma solução para equilibrar um possível déficit pode prescindir de valores éticos-sociais e solidários. Na justificativa da PEC 287/2016 não existe nenhuma referência a esses valores, reduzindo a Previdência a uma questão econômica.

Buscando diminuir gastos previdenciários, a PEC 287/2016 “soluciona o problema”, excluindo da proteção social os que têm direito a benefícios. Ao propor uma idade única de 65 anos para homens e mulheres, do campo ou da cidade; ao acabar com a aposentadoria especial para trabalhadores rurais; ao comprometer a assistência aos segurados especiais (indígenas, quilombolas, pescadores…); ao reduzir o valor da pensão para viúvas ou viúvos; ao desvincular o salário mínimo como referência para o pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC), a PEC 287/2016 escolhe o caminho da exclusão social.

A opção inclusiva que preserva direitos não é considerada na PEC. Faz-se necessário auditar a dívida pública, taxar rendimentos das instituições financeiras, rever a desoneração de exportação de commodities, identificar e cobrar os devedores da Previdência. Essas opções ajudariam a tornar realidade o Fundo de Reserva do Regime da Previdência Social – Emenda Constitucional 20/1998, que poderia provisionar recursos exclusivos para a Previdência.

O debate sobre a Previdência não pode ficar restrito a uma disputa ideológico-partidária, sujeito a influências de grupos dos mais diversos interesses. Quando isso acontece, quem perde sempre é a verdade. O diálogo sincero e fundamentado entre governo e sociedade deve ser buscado até à exaustão.

Às senhoras e aos senhores parlamentares, fazemos nossas as palavras do Papa Francisco: “A vossa difícil tarefa é contribuir a fim de que não faltem as subvenções indispensáveis para a subsistência dos trabalhadores desempregados e das suas famílias. Não falte entre as vossas prioridades uma atenção privilegiada para com o trabalho feminino, assim como a assistência à maternidade que sempre deve tutelar a vida que nasce e quem a serve quotidianamente. Tutelai as mulheres, o trabalho das mulheres! Nunca falte a garantia para a velhice, a enfermidade, os acidentes relacionados com o trabalho. Não falte o direito à aposentadoria, e sublinho: o direito — a aposentadoria é um direito! — porque disto é que se trata.”

Convocamos os cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente nossas comunidades, a se mobilizarem ao redor da atual Reforma da Previdência, a fim de buscar o melhor para o nosso povo, principalmente os mais fragilizados.

Na celebração do Ano Mariano Nacional, confiamos o povo brasileiro à intercessão de Nossa Senhora Aparecida. Deus nos abençoe!


Brasília, 23 de março de 2017.
Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger, SCJ
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner, OFM
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.