.

.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

JAIR MESSIAS BOLSONARO: A POLÍTICA RETRÓGRADA QUEM O PARIU!

Por: Pericles Gomes
Imagem: Internet.

Jair Messias Bolsonaro é o nome da vez. Odiado por muitos, querido por uns tantos. Louco e vigarista para alguns, santo e profeta para outros. Uma coisa é certa: ele leva a cabo sua agenda e seu nome mesmo atrelado à suas idiotices, o põe no páreo para a corrida presidencial do ano vindouro.

A onda “Bolsomito 2018” invadiu as redes sociais, numa tentativa última de alguns alucinados se verem próximos de seu ídolo. É o que municia seus disparates. Mas é aqui que o caldo entorna… Porque Jair Bolsonaro tem a cara da mãe. Do extremismo/fundamentalismo que impera em nosso momento político. Foi este tipo de política retrógrada quem o pariu…

E, ele não é um fenômeno isolado.

Talvez Bolsonaro tenha ganhado mais espaço por sua desenvoltura teatral e performática, mas o seu conteúdo está recheado de velhos paradigmas que dominam ainda boa parte da política no Brasil e no mundo: fundamentalismo, belicosidade, busca de poder.

Ele tem a proeza te ter seu nome atrelado a casos de homofobia; é entusiasta e defensor do pavoroso golpe militar que maculou a história do nosso país; pratica misoginia, isto é, desprezo ao gênero feminino; é preconceituoso (Quem quiser entender o que estou dizendo procure a fala dele sobre os quilombolas e outros tantos vídeos na internet); é contrário aos direitos humanos e outras tantas sandices que é inerente ao personagem que vestiu e o tem vendido muito bem.

A mãe pode olhar pro seu bebê monstro agora crescido e dizer: “Que trabalho feito com esmero!”

Os vídeos que tanto espantam milhares de pessoas na internet não me assustaram, por um simples motivo: nada, eu disse NADA, do que ouvi Jair Bolsonaro vociferar em suas transloucadas falas eu já não ouvira antes, está tudo presente nas redes socais é só procurar. Faça uma breve pesquisa ao You Tube e veja. Por isso repito: NADA me assusta ou me parece novo!

Existem milhares de Bolsonaros proliferados por aí, dizendo as maiores besteiras em nome de Deus, dos bons costumes e da família, pervertendo a fé singela do povo que acredita neles, explorando a inocência das pessoas, em especial dos jovens… só não se tornaram conhecidos como o insigne deputado. Graças a Deus!

Volto a dizer: Jair Bolsonaro não é um fenômeno isolado… Não é vítima e nem algoz, é só mais um fruto apodrecido de uma árvore podre. Talvez seja, hoje, o filho mais “famoso” dessa política asquerosa brasileira. Mas seus irmãos gêmeos, Aécio Neves e Marco Feliciano (Que alcunhou Eduardo Cunha como seu malvado favorito), continuam ganhando milhões de adeptos e seguidores ensandecidos, que buscam por um messias que os salve (Daí terem dado esse encargo a Jair MESSIAS Bolsonaro). O problema é que esse “salvador” aí anuncia catástrofe e não uma inundação de esperança e equilíbrio que tanto carecemos.

Há esperança? Sim, claro que sim… mas vou tratar disso em outra oportunidade…

Carlos Drummond perguntou e eu o parafraseio: “E agora, José? A festa acabou a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou”... 

Agora… quem pariu Bolsonaro que o balance…


Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

terça-feira, 4 de abril de 2017

POR QUE NÃO DEVEMOS CONCORDAR COM A MUDANÇA NO SÃO JOÃO FEITA PELO PREFEITO MARCOS GALVÃO.


Por: Pericles Gomes.
Imagem: Rede Social.

Recorrendo ao meu antiquíssimo barsa, encontrei assim definida a palavra pudor: “sentimento de vergonha, timidez, mal-estar, causado por qualquer coisa capaz de ferir a decência, a modéstia, a inocência”. Usei a definição como preâmbulo para dizer como me senti ao ficar sabendo via áudio de WhatsApp e posteriormente consolidada como notícia em um blog, a informação de que o excelentíssimo senhor prefeito de Ibicuí, pensando exclusivamente em nossa cidade tinha de forma impoluta e caridosa criado o “São João sunset”, isto é, o São João do Pôr do sol.

Nas linhas que se seguirá elucidarei o que é o sunset e o porquê da minha veemente inconformidade com ele.

A festa de São João de Ibicuí este ano ocorrerá entre os dias 22 e 25 de junho e o prefeito anunciou uma mudança significativa, “o São João Sunset” no dia 23, é a festa do pôr do sol, já durante a tarde até o surgir da noite, a banda Lordão estará tocando na Praça Régis Pacheco com o “objetivo” de acolher os foliões que irão para o Brega Light, -não é nada desprezível informar que o prefeito é o dono do Brega Light-, pois isso forçará que eles –os foliões- consumam na praça, gerando lucro para os barraqueiros. Vale ressaltar até aqui que se trata de uma boa estratégia para fortalecer a festa da praça; que é a que interessa realmente ao prefeito. 

Logo mais saberão o motivo da minha indignação.

Apesar do assunto não ser nada jocoso, quero contar uma piada para me fazer entender; ela começa assim: o advogado vai ao motel acompanhado da mulher do melhor amigo dele, também advogado. Chegando lá, encontra a própria mulher acompanhada do seu melhor amigo. Ao constrangimento inicial segue a dúvida.
– E agora? O que é que a gente faz?
– O certo seria a gente destrocar os casais e cada um voltar pra casa acompanhado do respectivo cônjuge.
– Sim, isso seria o certo. Mas não seria o justo.
– Por quê?
– Porque a gente tá chegando, e vocês tão saindo.

Sinceramente não sei se o “Sunset” do prefeito vai realmente fazer com que os foliões do Brega Light passem pela praça e lá permaneçam a ponto de consumir e gerar todo esse lucro, a ponto de justificar tal medida nos moldes como foi feita. Perguntei a alguns amigos que assiduamente participam do Brega Light sobre; e as opiniões foram dissonantes. Alguns -dos quais faço parte- acreditam que se o Brega Light começasse como antigamente, às 16:00 e terminasse às 20:00 horas, as pessoas que estavam lá, iriam abissalmente em maior número à praça que os que irão antes da festa começar, como acredita o prefeito. Como ele disse que decidiu pela mudança após cinco meses de pesquisa junto com sua equipe, não há muito o que se discutir.

Imaginemos, pois, que o prefeito esteja certo e que os foliões vão em número gigantesco à praça à tarde. Pergunto: seria justa e ética essa medida? Ela pode surtir efeito positivo na festa do município, mas com certeza surtirá ainda mais no que diz respeito ao Brega Light. Como se sabe, na sexta-feira só é feriado em Ibicuí, sendo assim, muitos trabalham pelo menos até às 16:00, hora essa que comumente começa a festa do Brega Light. A festa sendo mais tarde, possibilita que essas pessoas, em especial das cidades mais próximas venham participar do Brega Light -desafio que me provem o contrário-. Antes a maioria destes iriam para a festa da praça, com a decisão do prefeito irão agora para o Brega Light. Isso é fato. Penso que não há quem disso discorde.

Convido-os ao menos a supor que eu possa estar certo; estando correto faço mais algumas perguntas: Por beneficiar diretamente o prefeito -afinal ele é o dono do Brega Light- não configura uma mistura clarividente entre público e privado? Configurando uma mistura, não seria isso abuso de autoridade? E também falta de decoro? Portanto, passível de punição? Ficam essas indagações à reflexão.

Como estudante de Filosofia e nesse semestre cursando Ética II, é impossível concordar com essa mudança, pois ela fere princípios éticos e morais básicos. Quem quiser entender melhor o que é Ética recomendo os diálogos socráticos escritos por Platão, em especial “A apologia de Sócrates” e “Críton”, e o brilhante livro “Ética a Nicômaco” de Aristóteles, quem o fizer, entenderá o motivo da minha total indignação com o São João do pôr do sol. O chefe do executivo municipal isento para isso fazer, seria louvável, como não o é, considero um escárnio ao município.

É certo que à medida que o governo tomou beneficia diretamente o prefeito Marcos Galvão. Assim sendo, “o São João Sunset” é a mesma coisa que “um pênalti marcado por Eurico Miranda a favor do Vasco”. Não é certo, não é justo, e menos ainda sensato. Faltou quem o aconselhasse. Faltou bom sendo, faltou pudor. 

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

quarta-feira, 29 de março de 2017

A PRESIDENTA DA APLB-SINDICATO EVANILDA CUNHA FALA SOBRE A REDUÇÃO DA CARGA HORÁRIA DOS PROFESSORES DE IBICUÍ.

EVANILDA CUNHA ANDRADE, NINHA.
O Ibitupã News entrevistou a presidenta da APLB-Sindicato de Ibicuí, a Senhora  Evanilda Cunha Andrade.  A mesma já atuara por 25 (vinte e cinco) anos como professora, e exercendo neste período a função de Coordenadora do Programa Educacional e orientadora do PACTO PNAIC, e no momento, a mesma está liberada das suas funções educacionais para atender a APLB. Ninha como é popularmente conhecida, já está presidente da APLB por 03 (três) mandatos, ou seja, desde de 2008. A presidente concedeu-nos esta entrevista através da sua rede social. A Senhora Evanilda Cunha Andrade falou sobre entre outras coisas, da redução da carga horária de 32  (trinta e dois) professores da rede municipal de ensino de Ibicuí feita pela atual administração do prefeito Sr. Marcos Galvão (PSD).

IN – Primeiramente, muito obrigado presidente Ninha por conceder-nos esta entrevista. Professora, em relação aos professores que atuam no município de Ibicuí, quantos deles (as)  tiveram suas cargas horárias reduzidas pela atual administração municipal?
NINHA – Total de professores com a carga horária reduzida: 32.

IN – As professoras (es) em questão têm realmente direito ás 40 horas presidenta?
NINHA – Acredito que sim, pois todos se enquadram as exigências da Lei do Magistério Municipal.

IN – Em sua opinião por que a Prefeitura de Ibicuí reduziu a carga horária destas professoras e professores em questão? A Senhora acredita em perseguição política?
NINHA – Não posso afirmar que haja perseguição política porque não disponho de elementos que comprovem ou afirmem tal ato.

IN - Qual foi à justificativa dada pela Prefeitura Municipal de Ibicuí para que esta redução da carga horária fosse realizada?
NINHA – Com base no processo administrativo a justificativa do executivo: Foi à impossibilidade de alteração de regime de carga horária por falta de recursos financeiros. Indícios de irregularidades em alguns processos de enquadramento apontados pela Secretária de Educação e que não foram salientadas nos processo administrativo individual dos investigados. Desrespeito a boa parte do procedimento que regula a matéria de ampliação da jornada de trabalho. A ausência de publicidade da antiga gestão, falta de concorrência e tratamento econômico entre os servidores públicos com as mesmas atribuições e direitos. Riscos eminentes de danos irreparáveis aos cofres públicos, aumento repentino e abrupto das despesas com pessoal lesando a boa gestão fiscal. O efetivo atendimento aos princípios da impessoalidade, isonomia e da supremacia do interesse público. Inexistência de estudo de impacto financeiro.

IN – A presidente sabe informar qual é o número exato de professores (as) que estão passando por esta situação no distrito de Ibitupã?
NINHA – No distrito de Ibitupã são seis professoras que se encontram nessa situação.

IN – A senhora pode confirmar a informação que a atual administração municipal de Ibicuí contratou pessoal sem formação no distrito de Água Doce para atuarem em sala de aula?
NINHA – Não posso afirmar tal situação porque as contratações ainda não foram legalizadas e nesse modo não podemos solicitar a situação de cada contratado: porém existem boatos que há contratados sem as respectivas formações específicas exigidas por Lei para atuarem como professores.

IN – A APLB já tomou alguma medida? E quais medidas já foram adotadas?
NINHA – APLB tentou dialogar com executivo para que fosse revista a situação visto que, os servidores atuam no município há um bom tempo, mas manifestou a intenção de prosseguir com o ato administrativo. Desse modo APLB-Sindicato auxiliou os envolvidos na constituição do advogado que representa o Sindicato e a categoria para que fossem tomadas as providencias cabíveis.

IN  Os professores têm entrado em contato com a entidade?
NINHA – Os professores têm entrado em contato constante com APLB-Sindicato, onde a mesma se mantém a disposição de todos para uma melhor resolução destes e demais problemas, na luta por direitos igualitários referentes à categoria e esperamos que os direitos destes servidores sejam cumpridos quanto ao retorno do seu enquadramento.

IN – Cite um poema, uma frase ou um pensamento do qual a professora goste.
NINHA – Cito aqui um pensamento do qual gosto muito e que me faz refletir sobre a vida.
O tempo muito me ensinou:
Ensinou a amar a vida,
Não desistir de lutar,
Renascer da derrota.
Renunciar as palavras
E pensamentos negativos,
Acreditar nos valores humanos
E a ser OTIMISTA.
Aprendi que mais vale
Tentar do que recuar.
Antes acreditar
Do que duvidar,
Que o que vale na vida.
Não é o ponto de partida
E sim a nossa caminha.

Cora Coralina.

IN – Mais uma vez, obrigado pela entrevista e o espaço está franqueado para que a presidenta faça as suas considerações finais. Deixe sua mensagem aos professores e professoras que estão passando por esta situação.
NINHA – Como representante da APLB-Sindicato agradeço a oportunidade de externar a minha opinião quanto ao tema exposto, visto que os funcionários municipais não podem ter seus direitos desrespeitados. Acredita-se que o ato executivo foi realizado no calor das emoções sem considerar que os funcionários já fazem parte da folha do FUNDEB há mais de 4 anos  não onerando a folha de pagamento na sua respectiva receita municipal como foi objeto de justificativa do processo administrativo contradizendo os atos atuais cujas contratações mesmo que extra-oficiais, podendo ser detectadas nas escolas. Sendo assim os professores (as) que tiveram sua carga horária reduzida, podem ser reintegradas as suas funções e suas respectivas ampliações de carga horária. A alegação do jurídico é de que há falta de preenchimento dos requisitos da Lei 133/2011 Estatuto do Magistério Público Municipal; Art. 36-42, onde verificando a documentação dos professores, constata-se que os mesmos se adequam as exigências e critérios da Lei. Atenciosamente, Evanilda Cunha Andrade presidente da APLB-Sindicato.

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

sexta-feira, 24 de março de 2017

NOTA DOS BISPOS DO BRASIL SOBRE A PEC 287/16 – “REFORMA DA PREVIDÊNCIA”

“Ai dos que fazem do direito uma amargura e a justiça jogam no chão”
(Amós 5,7)

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília-DF, dos dias 21 a 23 de março de 2017, em comunhão e solidariedade pastoral com o povo brasileiro, manifesta apreensão com relação à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, de iniciativa do Poder Executivo, que tramita no Congresso Nacional.
O Art. 6º. da Constituição Federal de 1988 estabeleceu que a Previdência seja um Direito Social dos brasileiros e brasileiras. Não é uma concessão governamental ou um privilégio. Os Direitos Sociais no Brasil foram conquistados com intensa participação democrática; qualquer ameaça a eles merece imediato repúdio.

Abrangendo atualmente mais de 2/3 da população economicamente ativa, diante de um aumento da sua faixa etária e da diminuição do ingresso no mercado de trabalho, pode-se dizer que o sistema da Previdência precisa ser avaliado e, se necessário, posteriormente adequado à Seguridade Social.

Os números do Governo Federal que apresentam um déficit previdenciário são diversos dos números apresentados por outras instituições, inclusive ligadas ao próprio governo. Não é possível encaminhar solução de assunto tão complexo com informações inseguras, desencontradas e contraditórias. É preciso conhecer a real situação da Previdência Social no Brasil. Iniciativas que visem ao conhecimento dessa realidade devem ser valorizadas e adotadas, particularmente pelo Congresso Nacional, com o total envolvimento da sociedade.

O sistema da Previdência Social possui uma intrínseca matriz ética. Ele é criado para a proteção social de pessoas que, por vários motivos, ficam expostas à vulnerabilidade social (idade, enfermidades, acidentes, maternidade…), particularmente as mais pobres. Nenhuma solução para equilibrar um possível déficit pode prescindir de valores éticos-sociais e solidários. Na justificativa da PEC 287/2016 não existe nenhuma referência a esses valores, reduzindo a Previdência a uma questão econômica.

Buscando diminuir gastos previdenciários, a PEC 287/2016 “soluciona o problema”, excluindo da proteção social os que têm direito a benefícios. Ao propor uma idade única de 65 anos para homens e mulheres, do campo ou da cidade; ao acabar com a aposentadoria especial para trabalhadores rurais; ao comprometer a assistência aos segurados especiais (indígenas, quilombolas, pescadores…); ao reduzir o valor da pensão para viúvas ou viúvos; ao desvincular o salário mínimo como referência para o pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC), a PEC 287/2016 escolhe o caminho da exclusão social.

A opção inclusiva que preserva direitos não é considerada na PEC. Faz-se necessário auditar a dívida pública, taxar rendimentos das instituições financeiras, rever a desoneração de exportação de commodities, identificar e cobrar os devedores da Previdência. Essas opções ajudariam a tornar realidade o Fundo de Reserva do Regime da Previdência Social – Emenda Constitucional 20/1998, que poderia provisionar recursos exclusivos para a Previdência.

O debate sobre a Previdência não pode ficar restrito a uma disputa ideológico-partidária, sujeito a influências de grupos dos mais diversos interesses. Quando isso acontece, quem perde sempre é a verdade. O diálogo sincero e fundamentado entre governo e sociedade deve ser buscado até à exaustão.

Às senhoras e aos senhores parlamentares, fazemos nossas as palavras do Papa Francisco: “A vossa difícil tarefa é contribuir a fim de que não faltem as subvenções indispensáveis para a subsistência dos trabalhadores desempregados e das suas famílias. Não falte entre as vossas prioridades uma atenção privilegiada para com o trabalho feminino, assim como a assistência à maternidade que sempre deve tutelar a vida que nasce e quem a serve quotidianamente. Tutelai as mulheres, o trabalho das mulheres! Nunca falte a garantia para a velhice, a enfermidade, os acidentes relacionados com o trabalho. Não falte o direito à aposentadoria, e sublinho: o direito — a aposentadoria é um direito! — porque disto é que se trata.”

Convocamos os cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente nossas comunidades, a se mobilizarem ao redor da atual Reforma da Previdência, a fim de buscar o melhor para o nosso povo, principalmente os mais fragilizados.

Na celebração do Ano Mariano Nacional, confiamos o povo brasileiro à intercessão de Nossa Senhora Aparecida. Deus nos abençoe!


Brasília, 23 de março de 2017.
Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger, SCJ
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner, OFM
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

domingo, 19 de março de 2017

A EQUIPE DO IN AGRADECE AOS INTERNAUTAS PELOS MAIS DE MIL E DUZENTOS SEGUIDORES.

Por: Equipe IN.
Fotos: Pedro Henrique.

A equipe do Ibitupã News agradece a todos os internautas e leitores assíduos deste blogue pelos mais de 1.200 seguidores/curtidas. Este veículo de comunicação foi criado para dar vez e voz aos excluídos, as minorias aos sem médias. Daremos atenção a política, a arte e denunciaremos os abusos, sempre pautado por uma informação com imparcialidade, e tendo como norte: a verdade e a credibilidade. 
Informaremos com isenção e independência doa a quem doer. E é grato perceber que os objetivos da criação do IN tem sido comprido rigorosamente até aqui. Este é um espaço democrático, o contraditório, a divergência e o respeito são bem-vindos! Todos aqueles que têm algo importante a dizer, conte com este espaço, expresse-se, elogie, critique e reivindique. 
O IN continuará publicando, divulgando o que existe de bom em Ibitupã e na região, todavia, jamais maquiando a realidade social e as mazelas, sempre com o intuito de contribuir para a solução de tais problemas. Publicaremos artigos, entrevistas, contos, textos mais reflexivos (filosófico) e os textos de homenagens, por isso, contamos não só com o prestigio da sua audiência, porém como co-autores, sua opinião é muito importante, e aqui, é levado a sério. O direito a resposta será mais uma marca da nossa comunicação, o direito ao contraditório, repetimos – é sagrado.
Os colunistas, Pericles Gomes, Pedro Henrique, Sillas Prado, Leandro Bahiah, Josenaldo Jr, Luis Henrique, Tiany Bahiah, Jailton Gomes, Adenilson de Oliveira, Kallil Diaz, Jamilson Campos e outros colaboradores estarão atentos para levar até você a INFORMAÇÃO QUE VOCÊ USA, apesar da correria, o compromisso com você internauta e o amor pelo fazer jornalismo e, levar a informação com credibilidade nos faz superar a cada dia.

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

quarta-feira, 15 de março de 2017

PADRE VALDO.

O HOMEM DE SOBRENOME REAL.
Pe. Valdo & Maria.

Por: Leandro Bahiah.
Imagem: Rede Social.

Seria egoísmo demais nosso, principalmente dos ibitupaenses, de querer desfrutar-se exclusivamente da sua sabedoria, da sua amizade, da sua alegria e do seu afeto. A ideia de tê-lo conosco a todo tempo e em todas as horas possíveis – é tentadora! Contudo, a sua ausência nos remete a (saudade), isso também é bom! O ser humano só sente falta do que é bom, dos que nos fazem felizes e, que desperta em nós, o quão importante somos na vida. E na despedida: abraços, afagos e lágrimas.
Chegou por aqui, e teve pouquíssimas resistências. E não demorou muito, ganhou a todos. Aquela imagem de padre vista antes, cai por terra. A imagem era sempre de um sujeito carrancudo, que não brincava, e que para você ter uma pequena conversa era preciso antes ter uma permissão divina, esta era a triste imagem que tinha dos padres. Mas isso foi sendo quebrado com a chegada daquele novo padre.
Lembro-me que a cada homilia, a cada café tomado, a cada conversa crescia o número de admiradores! Os comentários positivos vinham de todo lugar. Até imitava-o para alguns amigos o seu forte sotaque, parei, e o sotaque? Continua lá, habituamos com aquele sotaque bonito! Então, esperávamos ansiosamente pela primeira e a última terça dos meses, era quando o mesmo vinha celebrar a Santa Missa. A esta altura, percebi que aquele padre, não era só o padre das idosas, era o padre das crianças, dos adultos e também era o padre dos jovens! Ganhou a todos sem fazer nenhum esforço, esse padre gosta de gente!
Aliás, sempre ouvir dos padres que a igreja era dos jovens, e era mesmo. Mas não via neles nenhum esforço para que os mesmos se sentissem parte, já que nem diálogo havia entre padre e os jovens. Como ir a Igreja? Fazer parte? Fé! E o incentivo dos amigos. Mas, aquele padre em especial, era diferente. Tinha diálogo, sabia ser enérgico quando preciso, sempre elegante, notava-se que é um intelectual, e que estava disposto a fazer sempre algo a mais, e fizera.
Soube ser imparcial diante da política de Ibicuí. Abriu os nossos olhos, agora, todos poderiam ver os seus direitos e deveres como cidadãos (ãs), diante da realidade de abandono que vivia ou vivem os ibicuienses, e então, mostrou-nos qual o papel do leigo cristão na política. Seu coração enorme, sua atitude cristã de ajudar os menos favorecidos, já era para mim o suficiente, entretanto, o pároco foi além, registrei através de grafemas neste espaço democrático que o padre em questão, fez mais neste curto período que esteve à frente da Paróquia São Pedro do que TODOS os políticos que tiveram por décadas na Prefeitura de Ibicuí, e não é retórica – é fato!
Sobrenome de família real, simplicidade de homem sertanejo do campo, pois saiba que suas palavras padre estarão sempre nos nossos corações: “Juízo!”, e nas nossas mentes, suas obras estarão diante dos nossos olhos, suas amizades feitas, é rocha! Seus afilhados, suas afilhadas e seus sempre paroquianos estarão sempre aqui, ali, aculá, e fique a vontade para fazer visitas para uma conversa, para um café, para confidenciá-lo como amigo ou uma confissão.
Na correria do dia-a-dia, padre, perdoe-nos pela falta de uma ligação, de uma mensagem nas horas certas e incertas para dizer como vai? Como foi o seu dia? Precisa de algo? Fazer uma visita! Todavia, saiba que o senhor conta sempre com a minha oração. Sua altivez, o faça hoje o que pode ser feito hoje, a convicção e o seu positivismo/otimismo nos encanta e inspira. Perdoa porque só compreenderemos o seu papel quando chegarmos ao paraíso... Se o compreendêssemos na terra, morreríamos, não de pavor, mas de amor, parafraseando São João Maria Vianney.
Por tudo que fez, e quiçá por tudo que gostaria de ainda fazer por Ibitupã, resta-me dizer com nostalgia e ao mesmo tempo feliz porque sabemos que o seu coração e a porta da sua casa estará sempre aberta para nós. Que Deus ilumine os seus passos e lhe dê forças e muita saúde para prosseguir com seu ministério. Muito obrigado Padre Ariosvaldo Aragão, padrinho!


Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.

segunda-feira, 13 de março de 2017

DOM LUÍS NOMEIA OS NOVOS PÁROCOS DE IBICUÍ E POÇÕES.

Por: Ibitupã News
Imagem: Rodrigo Oliveira

Sua Excelência reverendíssima, Dom Luís Gonzaga Silva Pepeu, Arcebispo da Arquidiocese de Vitória da Conquista/BA,  no uso das atribuições que são próprias do múnos episcopal, tendo ouvido e atendendo as necessidades espirituais, pastorais e administrativas da Diocese, e em especial das paróquias: São Pedro/Ibicuí e do Divino Espirito Santo em Poções/BA,  nomeia os seus novos pastores.

O reverendíssimo padre Ariosvaldo de Jesus Aragão, até então pároco da paróquia de São Pedro em Ibicuí, foi nomeado como novo pároco da paróquia do Divino Espírito Santo em Poções, sucedendo a Dom Carvalho, que fora nomeado bispo de Caitité, por sua Santidade, o papa Francisco. Para sucedê-lo em Ibicuí, o arcebispo nomeou o reverendíssimo padre Edmilson José dos Santos. 

Na noite de ontem se deu os avisos das mudanças e as respectivas datas de despedida e posse. A saber: Padre Ariosvaldo fará a missa de despedida no dia 26 de março, quarto domingo da quaresma e dia 29 de março numa quarta-feira, se dará a sua posse. Na quinta-feira (30), no dia seguinte, em Ibicuí, o Padre Edmilson toma posse como novo pároco da paróquia.  

Ao padre Edmilson nossos sinceros votos de um ministério frutuoso a frente da nossa amada paróquia e nossa disponibilidade em servir e divulgar as atividades de nossa paróquia. Sempre certos de que os gloriosos São Roque e São Pedro lhe auxiliarão na sua missão de conduzir como pastor essa parcela do povo de Deus que lhe fora confiado.

Quanto ao padre Ariosvaldo – conhecido por todos como padre Valdo, o Ibitupã News agradece imensamente pelo seu ministério sacerdotal realizado em nossa paróquia e em especial na nossa comunidade São Roque em Ibitupã. Desejamos ainda que seja muito feliz em sua nova missão nas terras do Divino. Conte sempre conosco! E como nos ensinou a crer: “No fim tudo dá certo, se não deu certo é porque ainda não chegou o fim”.

Diretor-presidente: Pericles Gomes. Edição e Revisão: Adenilson de Oliveira. Produção Executiva: Jailton Silva Gomes. Direção de Pauta: Leandro Bahiah. Direção de Arte: Pedro Henrique. Marketing e Propaganda: Abel Meira Gomes. Colunistas: Pericles Gomes/Leandro Bahiah/Pedro Henrique/Kallil Diaz. Colaboradores: Jamilson Campos/Henrique Alexandria e Josenaldo Jr.